Reunidas na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em São Paulo, nos dias 9 e 10 de outubro de 2018, mulheres do Movimento de Economia Solidária e Feminista vindas de dez (10) estados participaram do II Seminário Nacional “Economia Feminista Solidária: desafios, perspectivas e convergências” e organizaram um diálogo sobre a importância dos grupos de trabalho (GTs) de mulheres atuantes nos fóruns municipais, estaduais e no Fórum Brasileiro da Economia Solidária (FBES). Deste debate nasceu uma Carta à Coordenação do FBES e também para as demais mulheres que não puderam participar da atividade.

Estavam presente mulheres que fundaram o GT em 2005 – no então recém criado FBES – e falaram um pouco do histórico e do quanto esse espaço foi (e ainda é) importante. Elas relembraram histórias de agroindústrias que foram retomadas com lideranças femininas e tiveram reativadas as suas atividades, promovendo a continuidade ao trabalho. Mais recente na memória, porém também lembrada na ocasião, foi a roda de conversa do GT promovida em julho deste ano na Feira de Santa Maria/RS (25a FEICOOP) que reuniu pesquisadoras e educadoras populares que, ao afirmarem a importância da articulação, organizaram duas (2) comissões para mapear as produções (acadêmicas e populares) de mulheres sobre a Economia Solidária. O propósito é socializar e promover a leitura desta produção, gerando maior visibilidade.

Foto: Sônia Maria Santos
Foto: Sônia Maria Santos

O Seminário em São Carlos afirmou a importância da presença das lideranças femininas e feministas nos espaços de coordenação dos fóruns de Economia Solidária, para que a gestão e as ações reflitam e contemplem esse olhar, bem como estimulem outras companheiras a ocuparem tais espaços. O movimento quer encarar e transformar as práticas de invisibilização das mulheres nos espaços públicos – produto do machismo que não se limita apenas ao espaço privado.

SOBRE O SEMINÁRIO

O II Seminário apresentou resultados do projeto de extensão “Economia Feminista e Solidária: ações para o fortalecimento da autonomia econômica das mulheres“. O projeto teve início em 2016 e buscou atender, diretamente, 600 mulheres e 60 empreendimentos econômicos solidários (EES) do Estado de São Paulo. Foi executado pelo Departamento de Sociologia da UFSCar, em parceria com o Instituto Francês de Pesquisa para o Desenvolvimento (IRD), Sempre Viva Organização Feminista e Associação de Mulheres da Economia Solidária (AMESOL).

Durante sua execução, contou com espaços formativos, com comercialização dos produtos e serviços dos EES, com assessoria e apoio ao fortalecimento das iniciativas e com o fomento para formação de redes produtivas. Ainda foi desenvolvida no projeto uma pesquisa com as mulheres, visando aprofundar conhecimentos sobre suas experiências dentro dos EES, sistematizar suas práticas e fazer com que (a partir das pesquisas, ações e das metodologias de cartografias sociais) esse conhecimento retorne às mulheres, auxiliando no processo organizativo.

O Seminário reuniu mulheres empreendedoras (trabalhadoras) de todo o Brasil, pesquisadoras, militantes e ativistas. Entre elas estavam artesãs, agricultoras, pescadoras e quilombolas do Vale do Ribeira; mulheres da AMESOL; militantes do movimento EcoSol e do movimento feminista.

CARTA DE SÃO CARLOS – http://fbes.org.br/wp-content/uploads/2018/10/2018-10_CARTA_Mulheres_SaoCarlos.pdf

Mais informações podem ser encontradas na página do II Seminário no Facebook: 
https://www.facebook.com/seminarioeconomiasolidariaefeminista